A conversa é mole, mas o papo é firme.

quinta-feira, julho 03, 2008

La se vão os anais

Todo mundo viu a libertação da Ingrid Lana Betancourt. Liberdade é sempre louvável, mas vamos aos imensos detalhes tão pequenos:
Politico não tem jeito: voces lembram que a mulha foi pêga quando fazia campanha para a presidência da Cocalômbia, e não é que ela já desceu do avião retomando onde parou? E acho que ela parece um tanto com a Wanderléa.
Mas o que mais me deixou aflito, foi que o disfarce usado para encanar os Farcassados, eram as camisetas com a cara do Che, tche!
Acho que isto marcou o fim da era romântica da tomada do poder pela maioria desprovida, da luta pela igualdade. Não tem jeito. Uns são mais iguais do que os outros.
Lula/Chaves balançam a cabeça, quando em outros tempos pegariam em armas e sairiam correndo pela selva.
1968 acabou de acabar. E ainda envolvendo a França, com o presidente playboy posando com os filhotes da candidata. 40 anos atrás as barricadas estavam no lugar daquele palanque mamãe eu quero.
Não sei...leiam na minha camisa: fodeu, comprovadamente.

E houve tempo em que usava-se a camiseta para demonstrar ideologias, simpatias, com frases e caras estampadas. Era o máximo que a pessoa se espunha publicamente.
Hoje tem o orkut. Agora colocaremos as camisetas nas gavetas, porque perderam a razão de ser, mas quero ver o que fazer com os perfís orkutais, onde gosta-se de colocar o íntimo em banquinhas de camelô.
Oras, é fácil. Deleta.

Mas nem tudo esta perdido, pois existe a Holanda, Iolanda.
Por la agora não se pode mais fumar em locais fechados. Tabaco, sejamos bem claros, porque maconha pode, e com várias opções de graduações e jamais malhadas.
Imagine there's no countries.

Enquanto isso tem GENTE que depois das apresentações na terra de nossos conquistadores, engata férias acima do Equador. Esta é para não perder a freguesia.

3 comentários:

Monegheta disse...

Aqui no sul do mundo entrou em vigor a 'Lei da Tolerância Zero', proibindo a combinação de álcool e direção, qualquer que seja a dose, assim como a obrigatoriedade do motorista a se submeter ao bafômetro quando solicitado. A indústria da multa e do suborno se prepara para o toma-lá-e-dá-aqui. Mas creio que os benefícios serão imensos e vão além de prevenir acidentes, a começar pela diminuição de carros circulando.

Se as relações no mundo estão assim, toleráveis, acho que pro Brasil a solução passa por uma recolonização.

Eu continuo adorando usar camisetas de movimentos sociais. Mas sei que muitas pessoas passaram a considerar essas camisetas como 'de dormir'.

rubs disse...

Eu fui da onda Che na camiseta. Tenho versão original, estilizada, seu madruga e homer. Queria até ter uma Che-ritz, mas a Rosa Chá enfiou a faca e girou algumas vezes no coração...

A última que comprei, com cara de camiseta-revolução foi com a cara do Gandhi...

E não sei se acontece com outros, mas o rubinho, que não consegue não tomar um gole de cerva ao sentar-se em uma mesa de bar, acaba todas as noites sendo um foragido... até que é emocionante...

Edna Costa disse...

ah eu usei camiseta do Che nessa época aí das ideologias.. agora virou moda de marca de grife.. fiquei meio assim de usar depois que um taxista me olhou na rua e disse: "che.. que vara!"

usei também a camiseta do Solidariedade, aquele da Polônia, até fui dar uma espiada na net pra saber como escreve aquilo, nem lembrava mais.. como vc diz, os novinhos com certeza nem têm idéia do que se trata.. a maior ousadia que deu pra fazer foi usar essa camiseta numa eleição, quando fui dar meu voto pro Lula na primeira vez que ele foi candidato a alguma coisa.. lá se vão os tempos...

abs,

.