A conversa é mole, mas o papo é firme.

segunda-feira, julho 14, 2008

Hoje ainda é dia de rock

13/07 é o tal Dia Internacional do Roquerrou.

Neste dia, há exatos dois anos estávamos todos reunidos, não numa pessoa só, mas em várias, lá na Saraiva do Morumbi Shopping, lançando RLML. E o raro prazer de TÊ-LA sozinha e próxima, para deleite dos que lá estavam. Linda, leve e bem-humorada, respondendo a tudo e a todos.
Naquele dia houve ameça de ataque do PCC em Sampa, mas mesmo assim os fiéis lá estavam cultuando.
Uma noite inesquecível e agradável, que não foi melhor por minutos, pois logo que ELA saiu, chegou o Lee Marcucci, junto com o Neyzada, amigo de Ribeirão e que agora toca com o Paulo Ricardo...para os chutadores de pau de barraca, Lee falou muito bem da Lee, tá bom?

E não é que estava zapeando, e caí no Altas Horas, que agora passa muito felizmente na hora do Famplástico, no Multishow, e quem estava sendo entrevistada? Você acabou de ganhar um milhão de reais.

E foi uma gostosa rememoração de RLML, pois as perguntas foram cronológicas e seguindo a cartilha de La Farniente. Quem elaborou as perguntas seguramente leu o livro, pois abordou fatos e lendas de lebres lá levantadas. Porque será que as lebres são levantadas, para o bem ou para o mal? E aposto que as levantam pelas orelhas, sempre.
A Polícia Federal deveria mudar o nome para Levantadora Federal de Lebres. Ou Levantadora de Lebres Federais?
Mas é ai que morre Neves. O que acontece com as lebres, depois da elevação?

Simoni mandou uns quitudes lá de POA, que me deixaram de cinco, se é que me entendem. O Éden devia ser composto só destas coisas ma-ga-vi-lho-sas.

E já que o assunto é o de sempre, Moni manda uns links interessantes, que na paralela do iutubi, vai ligando a outros.

Esta é a primeira que os New-new Mutas tocam, que não da época de Ritz.

http://www.youtube.com/watch?v=NBvw51BciT4

e esta lança os dados para o futuro...que será, será...

http://www.youtube.com/watch?v=yIPkkxIX2VQ

E nos acréscimos, estão comemorando la e ca os tais 50 anos da bossa nova, que aliás parece que tem todos os mitos derrubados em livro lançado por Carlinhos Lyra, e que vão tentar desbaratinar até que acabem os festejos.
Mas eu acho que os festejos terminaram há 40 anos atrás, quando a Tropicália quebrou todos os banquinhos e afundou todos os barquinhos. Foi o dragão do whisky contra a santa maconha. E que cada um conte a história como bem lhe aprouver.

2 comentários:

rubs disse...

Engraçado, sempre que leio o blog, lembro-me de algo que sonhei na noite anterior. Desta vez foram as lebres, que apareceram misteriosamente em meu cérebro pensante na eterna noite de pesadelos picotados...

miedo...

E puxa vida, dois anos, bixo... e antes disso, em 2001, há sete (7) anos, conhecia-a pessoalmente com abracinhos e beijinhos no mesmo BART-local, juntamente com outra ribeiropretana não assumida...


absss

ps.: falando em dia do ROCK, não sei se sou eu que estou meio atrasado, mas BEATLES LOVE, álbum pout-porri dos fab four, é so divine...

Monegheta disse...

Já youtubaram a entrevista da Moça e tem um player com as três partes em ordem no site da Própria:
http://www.ritalee.com.br/novo_cd_2004/tv01.asp?video=&numero=137

E esses 50 anos está mais para não cair no esquecimento do que para comemoração. Com tanto bossa-novista por aí metido a bamba, sucesso no estrangeiro é a Tropicália.
E no Brasil, sabe-se comemorar muito bem oficialmente as datas futebolísticas.


E saiu um livro sobre as edições do Planeta Atlântida, um festival de verão que ocorre desde 1996 no litoral gaúcho. É fatos & fotos basicamente, mas para bons colecionadores, nem meia palavra pode faltar, ainda mais se tem fotos. Foi lançado pela própria RBS e custa R$ 28,00.

E do lado debaixo do Equador vai ter show de Los Mvtas em 26/07, dia do aniver de Mick Jaeger, em Itabira-MG, no Festival de Inverno na terra de Drummond.

Vou fazer uma fezinha na lebre amanhã, sem falta!