A conversa é mole, mas o papo é firme.

quinta-feira, outubro 26, 2006

O rei e a rainha

Costumo sempre fazer um paralelo entre Roberto Carlos e Rita Lee. Se Roberto é o rei, Rita é a rainha e fim de papo. Começaram mais ou menos na mesma época, Roberto um pouco antes. Mantém suas carreiras em evidência até hoje, depois de 40 anos. São intérpretes, mas além de tudo compositores de suas canções. São extremamente populares, tem legiões de fãs, são atores (Roberto fêz 3 filmes), e aonde vão, o trânsito para.
Graças à santa web, agora temos sebos virtuais, e achar livros raros é tarefa bem mais fácil, já que antes era praticamente impossível.
Conseguí várias coisas do Roberto, o que é difícil, pois a maioria está proibida por ordem judicial. Saíram pequenas edições e só. Depois foram proibidas. Que nem o filme da Xuxa e as revistas em que ela saía pelada.
Conseguí livro no Rio, em Curitiba, Sampa e em Vitória. Quem está mandando este último é a Paula Portella, da qual estarei em breve mostrando belas fotos de Ritz.

Um dos livros que conseguí foi escrito pelo mordomo do Roberto, Nichollas Mariano. Saiu em 1979, não ficou nem um mês nas livrarias, e está proibido.
É um livro de 100 páginas, mal escrito, mal editado, mas cheio de curiosidades contadas por alguém, ao que da para entender, que foi mandado embora do emprêgo, ficou sem grana e contou o que não devia para ver se descolava algum. Arrumou um processo.
Lógicamente tem a tal história da perna, que Roberto sempre tratou como tabú, mas depois parece que liberou. Fêz até um música chamada Divã, onde diz:

Eu lembro bem a festa, o apito
e na multidão um grito
o sangue no linho branco
e a paz de quem carregava
em seus braços quem chorava
e pro céu ainda olhava...
Estas recordações me matam
E por isso eu venho aqui

Acho que assim deve ter melhorado um pouco o pêso da situação. Aos dez anos, Roberto foi atropelado por um trem, e perdeu parte da perna, abaixo do joelho. Coisas da vida.
Mas esta foto vem de um outro livro, lógicamente tirada antes do acidente como se pode ver, mas na qual podemos notar os tais "Detalhes tão pequenos...", que ele usou em outra canção de sucesso. Os bons observadores irão se divertir. Este é um blog que mata os cobras e faz eles mostrarem o pau.

Mas viva Roberto. Quem puder ir a um show, vai se emocionar muito, acreditem, goste ou não. Show da Rita, então, nem se diz. A grande diferença entre estes dois monarcas, é que Rita é muito, mas muito mais acessível. Sorte nossa.

O curioso é que Rita e Roberto nunca fizeram nada juntos. Porque tia Ritz?



Roberto Carlos aos 3 meses de idade em Junho de 1941.

E mais um capítulo das séries de BML. Hoje vai a terceira parte do Mulheres, onde tem Preta Gil e Rita ao telefone. Nos capítulos anteriores...

Programa Mulheres Parte 3
E hoje, 26/10, é aniversário do Caetano. Não do Veloso, mas do Bartsch, amigo meu , mas que também é meu filho e toca guitarra bacarai. Parabens, moleque. E 24 anos é mesmo uma idade difícil, ehehehhee....desculpem, mas este é um blog familiar.

5 comentários:

fernanda lee disse...

Roberto Carlos foi a herança musical mais moderna que herdei da minha mãe ... gosto do cara, tem a alma bunitinha e é do bem mas acho que ele deveria se desprender de si mesmo ... mas quem sou eu ... "e os detalhes tão pequenos .. ahahhahahahah , só o Bartz ... "

A Ruiva é rainha indiscutivelmente ... se Roberto mata a cobra e mostra o pau a exemplo do blog de Bartiovisk, Rita pega a bichinha e enrola no pescoço, sem precisar matá-la ...

trim ..trim..
Alô .. alô ..
Querida ........

Beetocas leenáticas ..
..f lee ..

PS : "Essa grande diferença entre os dois".... a sorte é mais do que nossa .. a generosidade com que Rita trata seus fãs nunca será alcançada ... por artista nenhum .. uma pessoa que causa tanta alegria e de tanto talento ainda encontra humanidade pra se doar em alma .. eternamente grata .. eu

Betha Medeirix disse...

Neste exato momento (8.45 da manhã) minha filha de 4 anos 'está lá na sala' hipnotizada, bobotizada, ouvindo e vendo "Bem me quer" do show Rita Lee Jones!
No carro, fica cantando e me pedindo pra tocar toda hora "Eu e meu gato..."
Next Generation total!!!
Aliás, no Show BALACOBACO aqui em Porto Alegre, Ritz parou o show num determinado momento. Ela ficou impressionada pq tinha uma menininha de uns 8 anos com um cartaz escrito FLAGRA e chamou a guria pra conversar na beira do palco. Em seguida, a beira do palco estava tomada de crianças!!! Rita então resolveu contar 'estorinhas' pras crianças e deleite dos adultos presente.
Depois do show, tentamos ir no camarim mas a Diva mandou dizer que só atenderia crianças. Como não tínhamos a nossa filha (nós a adotamos no final do ano passado)ainda, não pudemos entrar... hehehe
Qto ao Rei, só gostei mesmo dele quando eu era criança (e ele um jovem.
Rita é a Rainha suprema nesta casa!!

rubinhow disse...

Há uns anos houve um boato que Robertão convidou a tia pra cantar com ele num dos especiais de fim de ano. Mas o convite não foi consolidado, não sei por qual parte...

Hummm, mas Robert agora tá muito chato... gosto dele na época do roquenrou bobo da jovem guarda... né não? Quem aguenta: "eu não vou saber me acostumar/ sem suas mãos pra me acalmar/ sem seu olhar pra me entender..." cantado em mil ritmos e mil vozes por babados novos e afins...

Ritz é TOP...
;)

Mih disse...

he he he hey bart, o teu post até assusta, hey bart! rsrs

Ritz Lady forever!

Roberto é uma boa pessoa, mas não tenho muita intimidade com sua música!

Rita sabe conquistar seus fãs, sabe mante-los.
É ruim quando temos um ídolo e ele mal liga para seus fãs, maass... Rita com certeza saber como manter seus fãs, talvez por isso gosto dela desde pequena.
Muito tempo? Talvez mais do que se imagina!

Beijos,

Rita> se der o ar da graça, saiba que gosto muito de ti.
=)

Leandro Vallim disse...

Ates de eu nascer, Roberto Carlos sempre foi trilha da minha vida.
Não sou fãnzão do cara, mas gosto dele. É como a Fê falou: uma pessoa tatalmente do bem.
Ultimamente anda muito repetitivo, muito "uma nota só" e coletâneas atrás de coletâneas. Nada inovador.
Meus pais dizem que a trilha sonora da gravidez desta criança aqui foi "força estranha", cantada pelo Rei.
Meu pai sempre muito fã dele, com todos LPs, colocava (coloca) aquele som toda hora. E entrava no meu zôvido por osmose. Gostava daquele disco com ele de cabelo curto, capa azul, que tinha ´homem mau´; e também gostava do "ritmo de aventura".
Agradeço muito ao Vallim Pai, pois foi dele que foram roubados cd´s e fitas K7 da Rainha Mór, a Santidade Plena da Música.
Ritinha é minha trilha sonora, minha emoção. Mama Mia! (E o filho late).
Aúúúúúúúú
Abração, Bart.