A conversa é mole, mas o papo é firme.

terça-feira, novembro 28, 2006

Tiros na água

Este era para ser o post de ontem, mas foi devidamente adiado pelas fotos do show do Rio. e daí vamos falar de alguns comentários:

- o lance de botarem a culpa nas mulheres pelo fim dos bítous: históricamente elas levaram a culpa, e não adianta nadar contra a corrente, mas de qualquer forma foi a melhor coisa que aconteceu. Os bítous serão eternos porque acabaram no auge, não importa de quem foi a culpa. Como também jamais reclamaremos de Ritz ter sido expulsa dos Mutas. Não estaríamos tendo este papo agora, acreditem.

- johnny me lembrou de "Sex & Drugs $ Rock'n'roll", que acabou saindo em dois volumes, e é um livro de fotos só com baixarias de altos ídolos. O Rafa começa a scannear amanhã, e abro uma nova sessão. Depois não me acusem de baixaria. Imagens fortes e muita bunda e pintinhos de famosos. Não digam que não avisei.

- Falamos tanto em Bom José, que ele foi dar as caras lá no Corcovado, quem diria.

- Foi falado de um making off no começo do Altas Horas. Talvez eu tenha gravado, e não me preocupei em colocar aqui, pois uma boa alma colocou tudo no you tube. Se eu tiver, coloco, até o talo, como sempre.

- A música comunitária: o único palpite para o nome foi dado por Fernandinha, que mandou "Epicuristas". Resolví dar uma mexidinha e ficou "Épico Rita", que tal? Num próximo post, mando a letra completa, que isto aqui já está ficando Belem/Brasília, lembram? Novinhos, perguntem ao velhinhos.

- Drizum. Só pode ser gozação de meus amigos zoeira. Mas adorei, pois acabei sendo defendido por gente sensível e inteligente,eheheheh...muito bom.

Esta aqui acho que foi o Rubs que me mandou...oi foi a Norma? Diz aí...é Ritz no Pão de Açucar, em 1978. Zoeira total. Lança meu bem, lança todo etc...



Eu gosto muito de comprar livros que falem de nossa música popular brasileira, e também dos que falem da música popular mundial.
A música é uma terapia, uma religião, e gera sentimentos tão profundos com pequenos deslocamentos de ar. E saber a história de quem cria obras primorosas, é um outro prazer.

Sem preconceitos, leio sôbre bossa nova, sôbre jovem-guarda, sôbre tropicália, rock nacional anos 80. Na verdade, tudo que cair na mão sôbre o assunto. Só os grandes fãs sabem tudo de alguém, e ainda olhe lá. Como sempre me qualifiquei como admirador de um monte de gente, informações organizadas são sempre benvindas.

Mas alguns livros me deixaram meio chateado, pois podiam ser uma grande promessa, e acabam não virando, ao menos para mim.

O primeiro, foi um escrito por Scarlet Moon de Chevalier. Metido o nome,né? Vocês devem conhecer, mas para quem não, é uma jornalista, e que sempre foi casada com Lulu Santos. Não vou falar sôbre isso.

Ela escreveu um livro sôbre o irmão, de apelido Roniquito, e que foi uma peça rara nos anos 1960 e 70, nos tempos do Pasquim, um dos fundadores da tal Banda de Ipanema, militante ferrenho nas trincheiras anti-ditadura formadas nos botecos do Rio.
Muita gente sempre fala das históprias hilárias do rapaz, que era fino, educado, intelectual, isso quando sóbrio. Bebia, e vinha mr. Hyde, e então ele trocava todos os atributos por uma língua muito afiada, que adorava detonar grandes nomes para grandes platéías. Metia a bôca em Tom Jobim,Vinicius, Chico e muitos mais ao vivo e na cara deles.
Mas também não vem ao caso.
O chato é que é uma jornalista de tantos anos tanto de idade quanto de profissão, cometeu um livro chatinho, que poderia ter sido bom, pelo material. Repete a mesma história trocentas vêzes, e adora ficar dizendo nome de pessoas enormes, como se para mostrar que os quem são quem conhecem os quem são quem. Pode ser que para os conhecidos, tudo bem, mas para quem não conhece nem um décimo daquelas pessoas, é muito chato. E o cara gravitava entre muitos e muitos artistas e intelectuais, o que poderia gerar muitas e esclarecedoras histórias.
Eu fico imaginando com o seria uma biografia do chato do Lulu Santos, escrita assim tão chatamente pela própria mulher. Mas não me levem a mal, pois o cara, que vivia lambendo o rabo de Dirce Baptista, vulgo Sérgio Dias, é um puta compositor pop. Nem sempre a embalagem combina com o conteúdo. Será que é isso?

Outro que havia me entusiasmado a ler, foi "Assessora de Encrencas", de Gilda Mattoso.
Esta mulher foi assessora de 15 entre 10 grandes nomes da MPB. Todo mundo que você pensar. E ainda foi a última mulher de Vinícius de Moraes. E resolveu escrever um livro, onde se propôs a contar histórias de estrada, saias justas, etc.
Meus caros e caras, virou um caderno de turismo e gastronomia. Que que interessa onde Gil, Caetano, Djavan, Bethânia, Milton, Renato Russo, foram jantar e o que comeram? Vocês não prefeririam saber quem eles comeram?
Uma ou outra coisinha aparece, mas é muito pouquinho para quem viveu, e parece que vive no olho do furacão. Não conta uma baixaria, nem omitindo os nomes. Ficamos sabendo o que todo mundo está cansado de saber: Paula Lavigne é chata e encrenqueira, Flora Gil é competente e simpática, todo mundo é boa gente, e tem muita história repetida, para quem lê este tipo de livro.
Aquela, que um dia perguntaram ao Vinícius como ele gostaria de voltar ao mundo, numa outra encarnação, e ele diz que a mesma coisa, só que com o pau um pouco maior. Isso tem nos dvds do Chico, com imagens.
Uma pessoa que conviveu com João Gilberto, só conta histórias bobinhas sôbre ele. Imagino os pudores que não deve causar então se as pessoas souberem que Farniente traçou o véio?
Na verdade, o livro fica melhor no final, quando Mattoso tem um capítulo contando coisas da própria família, e como aí ninguém é famoso, manda bala. Infelizmente ficou devendo.

E o último foi o do meu caro Nelson Motta, "Ao som do mar e à luz do céu profundo". Nelson é boa gente, mas faltou ousadia, faltou pegada. Ficou muito amorzinho. Ensaiou virar Nelson Rodrigues, mas ficou só no Nelson. Dá pra ler, mas o título é muito melhor que a história. O pior é que agora tenho que pedir ao Motta para fazer uma crítica do RLML, que le prometeu, para quando eu fôsse fazer o lançamento no Rio.

Bem...quando peguei o livro da Gilda Mattoso, dei uma olhada nas trocentas fotos com famosos que ela colocou de avalistas, e ví essa aí embaixo, e se alguém me disser quem é o persona aquí para o ingnorante, agradeço.
Até fiquei animado para ler alguma nova história de Ritz, mas o nome dela não é citado em uma linha sequer. Vai a foto, de 1991. Ritz estava mais que livre, leve e solta.

Rita Lee , Amim Khader e Gilda Mattoso

9 comentários:

Edna disse...

Legal a crítica aos autores e pra dar uma ajudinha na madrugada: diz o google que o tal é um promoter e fofoqueiro de plantão no RJ.

beijão!

Joseh Garcia???? disse...

Hello, Bartz!

Quem eh essa do lado na Rita em pleno Carnaval carioca????Eh a Beyonce???? Serah q ela passou todos esses anos ralando como mulata do Sargentelli sem sucesso desistiu e veio tentar a vida nos EUA?

Adorei o sorriso de Rita em ambas as fotos. Lindo! Muito feliz!!Bocao!:-)

Alguem sabe dessa historia do making off do Altas Horas???

Alguem sabe O que Rita grita no solo de guitarra de Bem-me-quer (original de 1980)?

Quem sou eu?
De onde vim?
Pra onde vou?
Quem descobriu o Brasil?

fernanda lee disse...

"Épico Rita" .. ahahahahahah .. adorei !!! Belém/Brasília ??
"Comprida e mal acabada" .. ahahah .. eu sou novinha mas tenho um tio que me chama assim ... .. ninguém merece ....

e olha ... edna o mérito das fotos do Rio são todas da beleza de Ritz mesmo pois minha maquininha é uma 4.1 daquelas mais normais que existem ... as fotos estão cruas , vestidas e leendas pela Leenda Ruiva !!! e eu também estava num lugar ótimo .. deu pra pegar direitinho os ângulos ....

falando em fotos ... belas essas ai em cima .. bela Rita sempre ...

e Scarlet Moon de Chevalier é um nome metido mas que Caetano adora .." né "... " adoro nomes ...nomes em ã de coisas como rã , imã, imã .. ..."

beetocas ..
f.lee


PS : eu quero ver esse altas!!!

Normitz disse...

Rita de botinha e vestidinhos brancos no Carná carioca de 78? Ai, ai, ai... tenho essa foto, mas não fui eu que te enviei, Bartman!
E foi lá no Morro da Urca, no mesmo lugar em que ela fez o showzão de sábado passado.
O livro da Scarlet não foi badalado por aqui, mas o da Gilda e o do Tio Motta, estão sendo até demais. Girda disse que se contasse tudo dos stars teria que lançar o livro no aeroporto com passagem internacional na mão pra nunca mais voltar. Que cosa... Mas ela escreveria mais o que sobre a Rita? Depois do teu livro, quem ousaria? Afinal, Bárbara não autoriza a olhadinha no binóculo pra qualquer um, meu amor. Obrigada por publicar a foto da minha musa, eu ia comprar só por causa dela. Assim você me ajudou a economizar mais uns cents pra correr atrás dela pelo Brasil. Uá uá uá.
E o livro do Tio Motta, my ex-teacher, tá sendo divulgado até em ônibus (viu, Panda?). Andei folheando e pelo que li... aguardemos a biografia dele sobre o Tim Maia!...

Beijos, nosso querido líder da gang lee.

rubinhow disse...

Hey Bart!!!
A muié (ou hómi) do Lulu (que pra mim é nome de poodle), ganhou musiqueta de dona Ritz um dia aí na vida, que é cantada por sir Popstar-suado-de-cabelos-brancos...

só pra ilustrar!!!
SEGUE:

Scarlet Moon
(Rita Lee)

Moça do bando da lua
Chega em casa
Põe fogo na brasa
E vai pra rua
Namoradeira
Menina bonita
Volta e meia
Vira uma sereia selenita

Escarlete, lua serenata
Colombina
Ela só combina
Com a prata
Com a luz do sol
É minguante
Num quarto crescente
Debaixo do lençol
Lua nova
Blue moon
Vira rosa
E fica toda cheia

***********
A letra é linda, já a musa...

Mas é de peruas e nomes frescos que são feitas nossas histórias... arght, pelo menos do lado direito da coisa...

E Papagaios vêm aí, quer dizer, Araras...

Denise disse...

Pois é... Música é vida, é necessidade fisiológica na minha vida, é meu colchão, minha paz, minha loucura, meu drink preferido pra um porre daqueles, é tudo! Eu tbm sou fissurada em ler as coisas que saem por aí sobre a nossa música e afins e confesso que já estava doida pra ler esse da Gilda e o do N. Moita... Bem, obrigada pelos toques Bart! Como disse a Norma, vc me ajudou a economizar uns couros de rato também!!! Hehehehe... Vou procurá-los em sebos daqui a algum tempo, agora eu perdi a vontade, mas um dia ela volta!
Ah, e qto ao Tal Drizum, eu nem tinha lido o tal comentário... hahaha... afffffffffffff...aiaiai... ema ema ema, né? Cada um com seus pobrema! Eu, hein? Enfim...

Lindas fotos! Lindo sorriso mesmo!

Beijo!

PS: Ah, gostei do nome da nossa música! Alguma idéia pra melodia já? E bora começar outra?

Betha Medeirix disse...

Bom, eu sempre gostei muito da Scarlet Moon! Na década de 80 ela tinha um programete na Band, se não me engano, junto com o Nelson Motta chamado 60 minutos (tb se não me engano) e ela contava muitos babados fortes dos famosos.
Gostava tanto dela que coloquei o nome dela na minha bicicleta de 3 marchas que ainda hoje me acompanha! hehehe

Betha LeeStoned disse...

Quanto aos 'The Beatles', concordo que eles acabaram bem na hora de entrarem pra história!
Já os Stones nem precisaram, pq são o MÁXIMO até hoje!!! hehehe

Denise disse...

Meu, quase esqueci de falar uma coisa... Olha a fofoca aí geeente!!!
Falando em biografia, não sei se alguém soube, mas a Echeverria lançou uma biografia do Gonzagão e Gonzaguinha e deu o maior bafafa com o Agnaldo Timóteo porque ela colocou um trecho no livro que fala que a música "Grito de Alerta" - maravilhosa por sinal! - foi inspirada numa história de amor do Timóteo com outro homem. Meu, o rapaz virou um bicho e foi até parar no programa da sensaSÔNIAlista ABRÃO! Resumindo: Echeverria pediu desculpas porque ela tirou essa informação de um outro livro e não pediu permissão pro Timóteo. Aiaiaiaia... é phoda né? E ainda ele quis abafar o caso dizendo que morreu de ciúmes porque a Bethânia gravou e imortalizou a música. Ele deveria ficar feliz por ser inspiração de uma obra prima. Enfim...

Beijo!