A conversa é mole, mas o papo é firme.

quinta-feira, outubro 05, 2006

As Cilibrinas já expulsas do Éden


No dia 10 de maio de l973, eu estava no Palácio das Convenções do Anhembí, com meus amigos de banda de Ribeirão Preto, para ver o ponta-pé inicial do tal Phono 73. Era uma quinta-feira, e a abertura seria com um show dos Mutantes, sem Rita Lee, mostrando seu novo trabalho intitulado "O A e o Z".

Sentados na segunda fileira, ao lado direito do palco, tivemos uma grata surprêsa. Rita Lee e Lúcia Turnbull estariam lançando sua dupla, as Cilibrinas do Éden. Seria a primeira vêz que Rita se apresentaria após ser "saída" dos Mutantes e eu estava alí a poucos metros de minha primeira visão da branquela no palco. Bem diferente da história da Farniente, que não conseguia fazer com que isso acontecesse.

Foram músicas inéditas. Só quatro. As duas tocavam violão, e algumas vêzes Rita tocou sua flauta transversal. Nem se imaginava o que seriam os "acústicos" da vida, 20 anos antes deles virarem moda.

Tempos depois fiquei sabendo que as elas tremiam e temiam por vaias. Tive a sorte de estar com meu recém adquirido gravador Phillips k-7, e tenho até hoje esta apresentação gravada não com grande qualidade técnica, mas a qualidade emocional e histórica estão acima de tudo. Turnbull tem pegada firme nas cordas, os vocais afinadíssimos.
A apresentação dos Mutantes foi tão forte, que ao final pouco se lembrava daquelas quatro músicas da dupla de abertura. Coloquei a fita para ouvir ainda na viagem de volta e lá estava "Mamãe Natureza", firme e forte. E confesso que sentí o cheiro de enxôfre.
Também fiquei sabendo mais tarde, que esta foi a primeira música que Rita compôs juntamente com Turnbull, ainda com raiva da saída de sua velha e querida banda. Elas nem pensavam em Tutti Frutti.

Muitas pontes e muitas águas depois, estamos no começo dos anos 80. Rita e Lúcia não estavam mais juntas. Lúcia foi backing vocals de Gilberto Gil, depois ganhou uma música do mestre e gravou um disco solo, usando o nome da música como título, "Aroma".
Eram quase dez anos depois daquele 10 de maio. Arnaldo já tinha dado seu salto, os Mutantes já não existiam em nenhum encarnação, Rita estava no seu pico de popularidade.

Pois bem. Este vídeo faz parte do especial "Saúde", que teve parte gravado naquele mesmo Palácio das Convenções, e que está prometido para ser lançado em DVD, com imagem e sons descentes. Depois de um bom tempo, é o reencontro das Cilibrinas na mesma arena em que foram para o sacrifício, mas agora sob total consagração. Cantaram uma versão em inglês, Mother Nature.
A banda, além de Roberto de Carvalho, é o que praticamente logo depois se tornaria o Rádio Taxi, com Lee Marcucci, Gel Fernandes, Wander Taffo e Marinho nos teclados. Rádio Taxi de cara ganhou uma música dos Carvalho, Coisas de Casal, que fez muito sucesso.

A foto é de 73, o vídeo quase dez anos depois.

Só fico imaginando o que elas deveriam estar pensando nesta hora. Será que alguém envolvido pode dizer? (provocação pura...será que ela aceita?)


4 comentários:

Norma Leema disse...

Noosssa, Bartsch, verdadeira testemunha ocular da história...
O que Rita e Lucinha pensaram? Não sei. Sei o que eu pensei: ahn, Rita...
Ps.: Hoje é o primeiro dia do resto do seu blog (1 mês + 1 dia).

Fernanda Lee disse...

Nossa , você viu isso ...
Cilibrinas ...

Sonhadas imagens ...

Luz e força
Fernnie Lee

Fábio Vizzoni disse...

Eu amo a criatura que inventou o You Tube (e assim permitiu que coisas fantásticas como este vídeo fossem compartilhadas!)
Abraço!
P.S.: Ontem Preta Gil estreou, aqui no Rio, a temporada de quatro semanas do show "Preta".
Ela dedica um trecho do show à Rita, fala sobre o musical e canta "Agora só falta você". Foi o máximo! muito legal.

German Ra disse...

what the hell is a "Cilibrina"?