A conversa é mole, mas o papo é firme.

domingo, maio 25, 2008

Velhas novas

Na Virada Cultural aqui em Riba, vi o show do Velho Lobo do Mar acordeirado no acústico.
Dizem que tive sorte, pois El Lobo costuma baixar um Tim Maia quando se apresenta, com graves, médios e agudos no Procom regados por Baco, e assim sendo, para música no meio, faz show pela metade e assim vai.
Mas aqui foi diferente, ou seja, normalzão e muito bão. Artista mente muito, mas ele disse que estava estreando nova banda naquele dia, e assim sendo estava só na água e todos muito animados. Podia até ser, pois deram umas erradinhas, riam disso e recomeçavam a música, coisa que quando a banda já tem estrada, basta uma notinha fora para se voarem nas jugulares.
O único problema foi tocar com violões num show para muita gente, e como sempre os técnicos de som adoram mixar uma batera massacrante, com o som do bumbo jogando a gente para trás. Isso é covardia, contra um singelo violão.
Mas cantou Ronaldo foi pra Guerra, do início da carreita, aproveitando para tirar uma no Fenômeno e as atuais bolas que tem levado por trás.
No final falou do Taffo, dizendo ser um grande amigo que se foi, e cantou Gita em homenagem.
Todos saíram felizes.

Aliás, uma boa para dar uma recordada no Taffo, é o dvd do Rádio Táxi. Era uma banda legal que pecava apenas nas letras apavorantes de suas músicas. Eram terríveis.
Quem for dar uma olhada, vai ver porque o cara era foderoso na guita. E tem canja do bom e velho Luiz Sérgio Carlini, cujo estilo stoniano tem muita cria por aí, mas que vive na sombra, também sem o devido reconhecimento.
Ao final uma versão honesta de All you need is love.

Outro dvd bom de ver, é o Crossroads Guitar Festival. Já tinha a versão de 2004, e agora saiu a do show de 2007. Dá pra ver as lendas velhotas, como B.B. King, Buddy Guy e um depauperado mas mandando bala Johnny Winter. Alguns tem que tocar sentado, pois os anos pesam sôbre os anus.
Além do Clapton, que é o dono da festa, que é feita para angariar fundos para a instituição que ele mantém para drogados, tem o maior de todos, na minha modesta op., que é o Jeff Beck. Uma pena que só colocaram duas das seis que ele tocou no dia. E ficou de fora uma versão de "A day in the life", dos bítous. Poucos podem se arriscar a mexer no sagrado, e eu fico só com essa, "With a little help from my friends" com o Joe Cocker, e "Minha vida", com ELA. Aliás, prestem atenção na letra desta, que tem códigos mais reveladores que os Da Vinci.
E de quebra, tem uma garota australiana de 22 aninhos, chamada Tal Wilkenfeld, que toca baixo com o Beck que vai deixar muito marmanjo de cabelos de vários lugares em pé.
Dêem um olhada: Beck é acometido de uma pedofilia incontrolável.

http://www.youtube.com/watch?v=mIFFRHBCPzA&feature=related

E para terminar, o chão parece que não vai tremer só na China. Vem aí a bio de André Midani, aquele que tirou Rita dos Mutas, rejeitou disco, dizem que...bem melhor esperar para ver o que ele conta. Prometido para quando Setembro vier.

Um comentário:

Monegheta disse...

Hey Bartsch!
Faz tempo que Lobão anda Cordeiro. Eu gostei bastante do Acústico, e sei que ele se mudou para Sampa e está mergulhado em novas composições para lançar trabalho inédito ainda este ano. E foi na comu dele que fiquei sabendo da morte de Taffo.
'Minha Vida' é reveladora de todas as nossas vidas.
E está biografia do Midani me deixou com água na boca.
Bjs