A conversa é mole, mas o papo é firme.

domingo, abril 29, 2007

Livros e presentinhos

Faz tempo que não se fala de livros por aqui. Assim sendo, agora não faz mais tempo.

Lí um romance de Jonathan Franzen, chamado The disconfort zone, que é autobiográfico, Frazen é um escritor muito premiado, e conta boa parte de sua juventude, sendo que ela foi um cara com comportamentos não muito usuais. Interessante, mas não vai mudar a vida de ninguém. Quer dizer, muda a dele, pois o livro vendeu bem, e assim se ganha uma grana.

Outro romance, de Don Delillo, chamado White Noise é bem mais doidão, onde um cara no seu quarto casamento (afff), é professor numa universidade de uma cidade pequena, e sua cadeira é sobre Hitler, ou seja, ele estuda exclusivamente titio Adolf. Dai mistura filho dele, com filho de atual mulher e filho dos dois. Mas o autor dá a entender que o filho dos dois é excepcional, sem nada dizer a respeito, mas mostrando reações da criança, e da maneira sútil como o problema é tratado, sem traumas. Depois a cidade onde moram é vítima de um vasamento tóxico, e o cara fica exposto a material radioativo, a coisa se instala na corrente sanguinea dele, que sabe que coisa boa não vai virar, mas ele vai levando a vida. Muito interessante.

Stories, de Robert Mckee, ensina a escrever scripts para cinema. Mckee é um foderoso de Hollywood, que é chamado quando gasta-se uma puta grana num filme, e quando passam antes do lançamento para aquelas platéia seletas, ninguém gosta. Então tem que mexer. A lista de filmes com Oscar relacionadas ao cara é impressionante. Mas é uma bela viagem sobre como fazer uma história ficar interessante.

Ponto de Desequilíbrio, de Malcolm Gladwell, é tremendamente interessante. É um estudo muito bem fundamentado, para que se encontre uma forma de saber como uma coisa vira sucesso. Uma música, um livro, um filme, um tipo de roupa, um refrigerante.
Um produto é lançado, tendo no mercado vários outros parecidos, mas só um faz sucesso. E isto acontece quando existe o tal Ponto de Desequilíbrio. Este mesmo cara tem um livro chamado Blink, que demonstra o quando é importante a primeira olhada, de segundos, que se dá em uma pessoa, ou num lugar ou mesmo para um objeto. Captamos praticamente tudo o que se precisa saber nesta fração de tempo. Muito bons, os dois.

E para ler numa sentada, o livro que Norma Lima me presenteou, escrito pelo Fábio, sobre o Tim Maia. Todo mundo sabe o que esperar do livro, com histórias de corar Dercy Gonçalves. Bem...nem tanto. Trata da amizade dos dois, que talvez não tenha sido lá tão grande, mas o Fábio precisa faturar algum, e mandou bala. Espero que não tenha problemas com os familiares do Tim, como Nelson Mota tem enfrentado para terminar seu livro sobre o mesmo tema.
Situações das mais diversas, sempre com o jeitão Tim de ser. Difícil aparecer pessoas que tenham estas atitudes roquenrou de nossos velhos conhecidos.

Se alguém quiser, recomenda alguns aí...

O presentinho para quem chegou até aqui, é dica que foi dada pelo Rubs e reforçada pela Norma"l"

http://www.biscoitofino.com.br/biograffiti/

Resta saber se aumenta ou diminue a ansiedade.

E para os Bitouzeiros, dica do Lucindo:

Clipe do cd Love, Feito pelo George Martin e filho

http://www.thebeatles.com.br/youtube029.htm

Nova música do Paul....que quer soar moderninho e parece o Franz Ferdinand

http://www.savefile.com/files/661410

10 comentários:

Fernanda disse...

hey bartiovisk ..

escrevo aqui .. "diretamente de goiás" .. pra dizer que o dvd e os proximos que virão causam água na boca nesses olhos famintos que vos escreve !!

bjos largos
fefetz

PS .. Ritaaaaaaaaaaaa

rubs disse...

Estou há séculos sem ler livros... o último foi em fevereiro do Ricardo Kotscho...

mas eu prefiro biografias ou histórias reais, grandes reportagens... não sou muito fã da ficção... li pouco...

mas thanks pelas dicas, sirrr...

e esperemos os devêdesss

normitz leema disse...

Oi querido Bart, que post bom sobre livros... ótimos amigos!
Aqui em casa tem mais livro do que gente, e sempre compro mais. Gosto de ler na língua original, mas o meu inglês não dá pra isso (esses quatro que você sugeriu são em ingrês, certo?)
Eu leio em francês e em espanhol, mas meu sonho é aprender o russo e me deliciar com Dostoievski que ficou sem boas traduções por aqui durante um bom tempo, as melhoes são do Manuel Bandeira e de um ex-professor meu lá da UERJ, Paulo Bezerra.
E a biografia do Roberto Carlos? Soube que RC ganhou na justiça... que cosa, não? Será que o "Rei" vai processar o Fábio? Na bio que te dei ele pinta um quadro de um "Rei" meio malvadinho com o Tim... já pensou o Fábio ser processado, ao mesmo tempo, pela família do Tim e pelo Roberto Carlos? Tsc, tsc, tsc. Nem todos são como a nossa Amada Ritz.
Beijos!

Amanda disse...

Bart, vc já comentou aqui sobre o Furacão Elis? Eu li quase todo semana passada, na Saraiva... hehehe. Eu gostei bastante, e tem muito material da Rita... algumas histórias, depoimentos... Tenho certeza que o ibope aqui vai subir!
Vou acreditar na Norma quando ela diz que as traduções de Dostoievski não ficaram boas... Vai ver a tradução foi o crime, porque tenho certeza que a minha leitura foi um castigo.

Daniel Vieira disse...

Hehehehe


faz tempooooooooooooooooo que euy naum leio.... ganhei dia desses um dum cara.. naum deve conhcer... que fez uma Bio da Rita Lee.. sabe


to pra começar a ler....


aiai

ganhei semana passada


hehe


Então

Bartz

To aqui.. não por obrigação.. mas por lazer

Bye

José disse...

Bartz,

Estou lendo, alem das leituras requeridas da faculdade, O livro de Caetano " Verdade Tropical"...Eh interessante pra quem quiser conhecer o contexto em que surgiu o tropicalismo. La varias referencias aos Mutantes...Poucas a Rita Lee.
Uma que gostei: descreve Rita como um misto de liberdade e puritanismo....Achei interessante.
Uma que nao gostei: Diz que Rita em sua carreira solo voltou a fazer a distincao entre rock e MPB que os tropicalistas tentaram misturar.
E eu fiquei a me perguntar: Serah que caetano tambem nao fez o mesmo na fase pos-tropicalista?
O que vc(s) acham????

Abracos!
Joseh Garcia

Dani Lee disse...

Estou lendo um livro da Zíbia, muito legal, estou adorando..

O dvd vai nos deixar com água na boa....mais rs

Bjs

Danizinha Lee

Betha Medeirix disse...

Uau, qto tempo tô tentando entrar aqui mas... ou o meu PC ou o Blogger (ou ambos) estavam me sacaneando e me não deixavam postar! Simplesmente não apareciam os botões de publicar e visualizar!

Tô doidim que chegue a caixa com os DVDs!
Comprei na Saraiva em pré-venda e tá prometida a chegada pra esta semana que se inicia...

Beijos e vamos nessa 'doce espera' como já disse minha outra deusa Marinex

Edna disse...

a leitura por opção anda difícil por aqui, o que rola é só a obrigatória, dentro do tema ambientalista, claro..

o hotsite promo foi um presentão, os wallpapers estão espetaculares, inclusive um deles, aquele dos ingressos, tem unzinho de um show.. um certo heineken music, dia 13 de novembro de 97 - 21h na cava do bosque.. será que vc foi? com certeza eu não fui, estava trabalhando....

bjão!

bart disse...

Normix: dos livros que falei, hoje saiu matéria na Falha dizendo que Disconfort Zone sai em março de 2008...quanto tempo...Stories é meio difícil de sair, e os outros são em portugas mesmo. O do Delillo chama Ruido Branco. Vale a pena também Libra, em que ele monta uma história para Lee Oswald, o cara que supostamente matou Kennedy.

Amanda; não falei do Furacão Elis. Lí a primeira edição, trocentos anos atrás, mas agora saiu uma nova edição ampliada. Quando for ler, direi aqui. Mas vale muito a pena. A pimentinha não era fácil não.

Daniel: espero que leia RLML, e daí , ai ai ai, vc comenta por aqui

José: Li Verdades Tropicais quando saiu, e o que mais lembro é o quanto CV insiste em mostrar o quão intelectual ele é. Não que tire o valor, mas faz com que o livro seja para poucos. E o fator diferencial para CV, é que tudo que vem dele tem que se ter um desconto pela carência que ele tem de polemizar. Ou não.

Edna: eu fui no tal show. Era o Santa Rita de Sampa. Quase fui falar com ela nos bastidores, mas a muvuca foi grande, e mau mau, que estava conversando comigo, me deixou para trás e ficou adiado nosso encontro. Eu ainda não tinha escrito nenhuma vez para ELA. Conversei bastante com Beto Lee, que era um garotinho parado lá fora da Cava do Bosque, e ninguém dava nem bola.