A conversa é mole, mas o papo é firme.

quarta-feira, setembro 13, 2006

As Mulheres de Sampa

Chegadinho de Sampa vamos às novas: a cidade estava a caldeira do diabo e há uma semana, era glacial. Imagino o dilema do paulistano olhando para o guarda-roupas de manhã. Mas direto ao assunto: acho que este foi um dos melhores programas desta nova Frente de Libertação Rita Lee em Livro, DVD e Peça, mais conhecida como FLRLLDP, que tem o mesmo som daquelas Línguas de Sogra de festa de criança, quando desenrolam ao serem sopradas.
O programa estava sendo costurado há um mês, através da MIRIAM da produção do Mulheres. E ela foi pedindo material, e nestas entrou o Rubs Vitti Jr. que fez um meio-campo com a Paulette Portella, a Patty Cecatti e outros mais, para enviarem belíssimas fotos de seus acervos (obrigado, povo). Depois se marcou com antecedência a presença em telefone da Rubia del Avión, e de quebra queriam trazer a Filha do Ministro, mas Pretinha deve mesmo ficar atribulada em plena terça, pois tem peça à noite. Mas mesmo assim gravaram um belo depoimento em que ela foi muito simpática comigo, e com direito a pergunta no final para o pagador de mico aqui.
Mico porque me pediram para levar a Guitarra “Maldita”, que há mais de 30 anos não punha a cara em público. O pior: pediram que eu cantasse. Isso foi à queima-roupa. E eu não sabia letras, mas mico tem que ser pago até o fim, senão corre-se o risco de vê-lo repetido. E a cada nota que eu dava, pensava: ”Será que Ritz está vendo isso? Acho que não. Ela deve ter ido pegar o telefone lá dentro". Mas parece que não. Ela disse que ouviu. O que não se faz para pagar os celulares e i-Pods dos filhos.

Mas no camarim já rolou uma boa: estava lá eu naquela bela espera de horas que sempre nos dão de presente em programas televisados, principalmente nos ao vivo, e entraram botas e chapéus. Era uma dupla sertanóica. Simpáticos, faladores. Um deles colocou um par de óculos tipo ray-ban enorme, griffe 25 de março, e perguntou para a Miriam, produtora, se estava bom. Com toda sua simpatia, e palavras estudadas, ela diz achar que óculos de sol é para ser usado onde tem sol. Em estúdio não tem sol. O cara concordou e tirou. Nem precisa dizer que quando entrou no ar, estava de óculos. Fiquei imaginando o quanto a Miriam estava xingando lá na sala de edição.
Mas o papo vai-e-vem no camarim passou pelo que cada um fazia ali. Eles estavam lançando CD e DVD, e eu, o livro da Rita Lee. Quando falei o nome, os pelos da dupla arrepiaram: “Ela odeia sertanejos”.
Não, meus caros, ela odeia eventos que maltratem animais, fato que parece sempre acontecer em rodeios. A produtora deles comentou que a farra do boi judia muito dos animais. Um deles diz que concorda que em rodeios menores existe maltrato, o que não acontece nos grandes. Mas depois falamos do tal sedem e das esporas. Ele diz que quando a espora sangra o animal, o juiz desclassifica o peão, e isto acontece muito. E depois diz que o sedem é para animar o animal, senão ele não faz nada na arena. Chegamos à conclusão que isto é maltrato. Diz também que foi proibida a prova do laço, pois a maioria dos animais morria com o aperto da corta. Depois diz que foi a uma tourada e achou que é cruel o que fazem com o touro, e que por isso o povo torce contra o toureiro. E afirma que também nos rodeios, o povo torce contra o peão. Daí foi fácil a pergunta: “Onde e quando os animais são bem tratados?”. Sumiram do camarim.

Quando no estúdio, os dois estavam dublando mal-e-mal um playback, e estava uma zona total, atrás das câmeras. Umas 30 pessoas do pessoal técnico, apresentadores, outras atrações, uma zoeira generalizada. Eles cantaram umas 4 músicas e a zoeira continuou. Mas é só para dizer, que quando entrei, e começou a matéria da Rita, ficou um silêncio de igreja. Todo mundo prestando a maior atenção a cada assunto. Câmeras, cabo-men, sapaiada em geral caindo toda hora na risada com as tiradas da Rita. Imagino as donas de casa desavisadas, babando em seus sofás naquela tarde quente, dando palpite na vida de suas diaristas, e não acreditando no que estavam vendo e ouvindo. Hilário.
Aquela agilidade, presença de espírito, e respostas inesperadas, falando de mijos e fodas em plena tarde paulistana.
E uma aparição que estava combinada de ser com 15 minutos, destes com 5 minutos de Rita ao telefone, acabou ficando com Rita falando uns 15, e o bloco inteiro com mais de meia-hora.
Kátia, a apresentadora (a cara da Penélope Cruz), também muito simpática, com boas perguntas, e deixando o programa fluir. Depois me disseram que a produção dava pulos de alegria com a subida de Ibope. Agora quem assistiu que conte os detalhes, porque lá na frente de batalha é muito louco. A gente fica meio flutuando. Vocês ainda vão passar por isso.
E numa dessas quem quer saber quem matou o Ubiratan? Salve Rita.

7 comentários:

Fernnie Lee disse...

FLRLLDP ... Um calor em Sampa que chega dá moleza ... Propagandas e propagandas ... Dois burricos, sem a nobreza dos animais citados ...

... A Guitarra Maldita , Vc e a Dita cuja e, dizer algo sobre não é necessário ... O necessário era só captar tudo que a antena captava ...
Que mico ??? Foi leendo ... Na Bendita soltando notas que conhecemos bem, entrando na casa das pessoas .... e assim mesmo sem pedir liçença e sem a menor cerimonia Ela tão Ela no" teleegrofone" mandando noticias de lá .. Lá de onde fica, em outras dimensões ...

Tão "bunitinha", simpática , inteligente, perfeita ..ah, ah .. tão Rita ... Ai ai ai a Rita ... Nessa hora não se sente calor , não se encherga nada .. nada a não ser Ela ... Mesmo só com a voz era Ela que se materializava na tela ... Enchendo aquela tela de energias captadas por mim, pelo povo , pelas donas de casa .. empregadas .. patroas mandonas .. drogadas ..

Falei demais ...ufa ...
Obrigada pela tarde .... além do presente descobri uma coisa muito importante .. que aquela Katia ainda existe .. eheheh

Salve el Ruiva ..
Sempre ..

rubinhow disse...

The Nadah, Bart!!!

Aqui não pegou... nem em antena, nem a cabo... enfim...

Mas olha, o canal não sendo global, a coisa flui mais, não é?
Mais de 5 minutos de aparição... hehehe...

abs

gilda disse...

ô seu bart aquela dupla foi bem melhor do que ficar vendo você babando ovo e a chata tava mais chata ainda vê se muda o disco que eu jah estou de saco cheio
bjs gilda =)

carmem disse...

bart, não deu para assistir o programa porque estava trabalhando, mas só de ler o blog parece que foi legal as pampas,gilda você precisa ir num rodeio e se oferecer para entrar na arena...estrangulada com sedém!
parabens bart, continue nos dando as boas novas da Rubia

Norma Lima disse...

Aqui no Rio não tem essa tal de Gazeta, humpf. Ainda bem que Bartsch fez o relatório completo. Eu odeio rodeio! Eu amo a Rita! E Bart é o anjinho que nos sopra os brilhos da estrela que meu olhar não alcança. Quisera que ela pudesse sempre entrar nessas tardes monótonas e iguais.

cleido vasc. disse...

eu vi, hahaha, eu vi e foi muito bom. Avisou que nao era cantor, está certo, mas isso nao quer dizer que nao saiba cantar. Mandou bem na entrada da sala de jantar, depois teve o prato principal e a sobremesa.
Se estava nervoso, disfarçou bem. Interessante como a voz da Rita, e as vozes em geral, ficam mais íntimas pelo telefone. Fica aquela coisa caseira, leitinho pro bebê. todo mundo fica (quase) íntimo. Igual ao livro. Aliás, tenho uma teoria revolucionária para o livro, mas fica para o próximo...

johnny disse...

...que mico,que nada rapaizzzzz,mico é o "simão"(brabo hein???)... foi tudo legal...a guitarra foi uma "Guevara", só os velhos anos 60 sabem disso. Encheu um pouco o saco, a parte da Orth,Young,Vold sei la o que, etc...mas eu entendo, tevêzinha qdo fala da rainha..é foda.